Empirical Articles

Monogamia e Ajustamento Conjugal: Estudo Entre Casais do Mesmo Sexo e Casais de Sexo Diferente

Monogamy and Marital Adjustment: A Study of Same Sex Couples and Different Sex Couples

José Carlos da Silva Mendes*a, Henrique Marques Pereiraa

Resumo

Objetivo: O presente estudo pretende identificar diferenças de exclusividade sexual e ajustamento conjugal entre casais de sexo diferente e casais do mesmo sexo. Método: Participaram no estudo de caráter descritivo e exploratório, 909 indivíduos com idade igual ou superior a 16 anos e uma relação significativa com o mínimo de 6 meses. Recorrendo à internet, os participantes responderam a um questionário sociodemográfico, à versão portuguesa da DAS (Dyadic Adjustment Scale) e a um questionário que pretende avaliar a Exclusividade Sexual através do fator sexualidade e do fator autoestima. Resultados: Identificou-se que aproximadamente 50% dos inquiridos apresentam elevados níveis de Exclusividade Sexual e Ajustamento Conjugal. Verificou-se também que o grau de satisfação com a relação é o problema de relacionamento mais comum nos participantes inquiridos. Verificaram-se que as relações conjugais (expressão de afeto, satisfação e consenso) entre casais do mesmo sexo e casais de sexo diferente não apresentam diferenças estatisticamente significativas (F(2.905) = .339; p > .05). Conclusão: Aproximadamente 50% dos participantes apresentam elevados níveis de exclusividade sexual e ajustamento conjugal. A monogamia em casais do mesmo sexo é muitas vezes percebida como um mito. De facto, os dados apresentam bons níveis de exclusividade nos casais heterossexuais em comparação com os casais homossexuais. No entanto, o ajustamento conjugal não apresenta diferenças significativas entre estes dois grupos.

Palavras-Chave: exclusividade sexual, ajustamento conjugal, orientação sexual

Abstract

Objective: This study aims at identifying differences in sexual exclusivity and marital adjustment among different-sex and same-sex couples. Method: A descriptive and exploratory study was conducted, with 909 individuals aged over 16 years and in a significant relationship for at least 6 months. Using the internet, the participants completed a sociodemographic questionnaire, the English version of the DAS (Dyadic Adjustment Scale) and a questionnaire that aims at assessing the Sexual Exclusivity through a sexuality factor and a self-esteem factor. Results: We observed that approximately 50% of the respondents presented high levels of Sexual Exclusivity and Marital Adjustment. We also found that the level of satisfaction with the relationship is the most common problem reported by the participants. Moreover, we found that marital relations (expression of affection, satisfaction and consensus) among same-sex couples and different-sex couples did not present statistically significant differences (F(2,905) = .339; p > .05). Conclusion: Approximately 50% of the participants presented high levels of sexual exclusivity and marital adjustment. Monogamy in same-sex couples is often perceived as a myth. In fact, the data shows good levels of exclusivity among heterosexual couples compared to homosexual couples. However, the relationship adjustment is not significantly different between the two groups.

Keywords: sexual exclusivity, dyadic adjustment, sexual orientation

Psychology, Community & Health, 2013, Vol. 2(1), doi:10.5964/pch.v2i1.19

Received: 29 May 2012. Accepted: 07 September 2012. Published (electronic): 28 March 2013.

*Corresponding author at: Rua Balsares de Baixo, Nº16, 3ºE – 1750-037 Lisboa, Portugal. E-mail: josemendes78@outlook.com

This is an open access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License (http://creativecommons.org/licenses/by/3.0), which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.

Introdução [TOP]

O casal de homens gays e o casal de mulheres lésbicas são um dos exemplos do pluralismo de formas familiares emergentes nas sociedades contemporâneas (Cardoso, 2008). Em si é um conceito recente que a presente investigação sobre este tipo de conjugalidade pode ajudar a conceptualizar. Pretende-se assim desconstruir o estereótipo mais comum em relação aos casais do mesmo sexo, que são caracterizados pela incapacidade de estabelecer relações duradouras ao contrário dos casais de sexo diferente. Kurdek (2005) mencionou que por causa do estigma associado à homossexualidade, muitos homens gays e mulheres lésbicas são relutantes em revelar a sua orientação sexual.

Barash e Lipton (2001) descreveram que tudo o que fazemos e somos é uma consequência não só da nossa “natureza humana” interior, mas também das nossas experiências, citando os respetivos: “existem provas abundantes de que os seres humanos foram desde sempre inclinados a ter diversos parceiros sexuais” (p. 214). No entanto, a monogamia é descrita por Hyde (2001) como o hábito de um adulto do sexo masculino e um adulto do sexo feminino, formarem uma ligação dupla ao longo da vida. Dreher (2001) defende que a sociedade instruiu (a partir da observação do desenvolvimento histórico) uma ordem familiar e a apresentar uma tendência à monogamia.

Cabral (2007), ao descrever as famílias primitivas, refere que a família monogâmica era mencionada como um instrumento importante na perpetuação da propriedade. Esta definição foi defendida por Engels no século XVIII, em que a família monogâmica baseava-se no predomínio do homem e tinha como finalidade expressa procriar filhos de indiscutível paternidade, permitindo a regulação dos processos de herança de bens do pai (Fonseca, Soares, & Vaz, 2003).

O casamento monogâmico é ainda reconhecido pela igreja como uma forma de preservar o ser humano; esta atitude destaca-se pela não-aceitação do casamento em casais do mesmo sexo (Nunes, 2005). Reich (1975) considera que o casamento monogâmico é legalmente reconhecido como a forma mais elevada e desejável das relações sexuais humanas, como a mais adequada para garantir a preservação da comunidade humana. A igreja, ao compreender os termos religião e movimento religioso, assume um sentido positivo de reconhecimento de determinados grupos enquanto religiões socialmente organizadas e aceites (Teixeira, 2011), tendo ainda um papel fundamental na sociedade, reconhecendo assim a monogamia como forma de preservar o ser humano (Nunes, 2005). No entanto, recentemente Pais (1996) defende que a sociedade portuguesa manifesta ideologicamente valores de fidelidade matrimonial, mas não se sabe se essa exclusividade se expressa em termos ideais ou se traduz numa efetiva capacidade de controlo sobre emoções e desejos latentes que ponham em causa tais ideais e a própria relação.

Outros autores mencionam que no processo de formação e de consolidação do casal, marido e mulher diferem-se pelo sexo, pela identidade, pela própria história e pela cultura de origem, fazendo uma união (Ribeiro & Costa, 2002), contudo a satisfação é um elemento fundamental num relacionamento interpessoal (Perlin & Diniz, 2005).

Kurdek (2005) descreveu os preditores da qualidade num relacionamento como as características de cada parceiro (traço de personalidade), como o parceiro vê o relacionamento (nível de confiança), como os parceiros se comportam na relação (comunicação e estilos de resolução de conflitos) e a perceção do apoio para a relação (família e amigos). Estudos suportam que a qualidade do relacionamento, prevista nestas variáveis, tende a ser tão forte para os casais do mesmo sexo, como para os casais de sexo diferente (Kurdek, 1992, 2008a, 2008b, 2009).

Em 1976, Spanier menciona que o ajustamento conjugal pode ser visto em duas perspetivas distintas – como um processo ou como uma avaliação qualitativa de um estado. Para o autor, definir ajustamento conjugal como um processo tem diversas implicações, sendo a mais importante delas a de que um processo pode ser melhor estudado ao longo do tempo. Gomez e Leal (2008) sublinham que “o ajustamento conjugal constitui um conceito chave da literatura sobre a família desde há décadas” (p. 625), e Santos-Iglesias, Vallejo-Medina e Sierra (2009) referem que o ajustamento conjugal é um dos fatores que influencia a constituição da família.

O ajustamento conjugal é um processo cujo resultado depende de diversos fatores, tais como as diferenças problemáticas no casal, as tensões interpessoais, a satisfação, a coesão e o consenso para o bom funcionamento do casal (De la Rubia, 2008b; Gomez & Leal, 2008; Kurdek, 1992; Santos-Iglesias, Vallejo-Medina, & Sierra 2009). Kurdek (2008a) fez referência a estudos que indicam a existência de múltiplos fatores, como o compromisso no relacionamento incluindo traços de personalidade de cada relação (fatores intrapessoais), a integração da relação noutros relacionamentos (fatores contextuais), qualidade das interações entre parceiros (fatores interpessoais) e necessidades pessoais de cada parceiro (fatores de interdependência).

O conceito de ajustamento conjugal é criticado pela impossibilidade de se distinguir da satisfação sexual (Mosmann, Wagner, & Féres-Carneiro, 2006). De la Rubia (2008a) menciona que a satisfação de necessidades físicas, as obrigações sociais como o afeto, a comunicação e a satisfação sexual não influenciam a sexualidade dentro do matrimónio.

Existem evidências de que os problemas com a família e amigos são áreas frequentes de conflito em casais de homens gays, mulheres lésbicas e heterossexuais, existindo uma relação negativa entre a satisfação com o suporte social e níveis de discordância. Estudos indicam que os preditores de comprometimento, satisfação e estabilidade são geralmente os mesmos para homens gays, mulheres lésbicas e heterossexuais (Kurdek, 2008a).

As transformações sociais que afetam a vivência da conjugalidade, tanto em casais de sexo oposto como casais do mesmo sexo, têm relevante influência na formulação de teorias, sendo importante verificar a extensão e a natureza das diferenças que se estabelecem nos diversos tipos de conjugalidade, criando modelos mais adequados da compreensão do ajustamento conjugal, independentemente da orientação sexual (Féres-Carneiro, 1997). Existem vários estudos que descrevem que o compromisso para uma relação fechada é determinado por um processo múltiplo, incluindo três aspetos: o nível de satisfação, a qualidade das alternativas no relacionamento e o investimento na relação. Contudo, estes três componentes representam fatores distintos e cada componente tem uma variância única para o compromisso global (Kurdek, 2007).

Este autor, em 2008, defendeu que a qualidade da relação pode diminuir devido a três razões: os parceiros iniciarem as suas relações com expectativas idealistas (devido ao intenso desejo de uma relação com sucesso); a alteração dos interesses convergentes, valores e atividades serem substituídas por outras mais divergentes; e os parceiros que têm filhos tenderem a ter presente as tensões da paternidade que podem afetar a relação (Kurdek, 2008b).

Estudos referem que pelo menos um dos membros do casal funciona como regulador da relação (barómetro); no entanto, parece não existir uma medida de até que ponto os parceiros individuais monitorizam (consciência e compreensão) o bem-estar do seu relacionamento. Esta monitorização difere de outras variáveis individuais (empatia, inteligência emocional) concentrando-se nas cognições sobre o bem-estar da relação específica (Kurdek, 2009). Kurdek (2009) propôs que o acompanhamento de uma relação diádica é relevante para a manutenção desta relação, sendo uma forma de os parceiros suportarem a relação, adaptando-se às mudanças na sua felicidade em geral e de desenvolverem estratégias para destacar a insatisfação transitória (ilusões sobre o relacionamento). Existem evidências de que a monitorização tem um papel comum para ambos os parceiros e não é somente dedicado a um elemento do casal. O monitoramento desenvolve-se a partir da história de cada casal, construindo-se através da adaptação às características do ajustamento diádico.

A monogamia e as relações conjugais, em termos de senso comum, são fatores geralmente atribuídos a casais de sexo diferente. Assim, torna-se importante averiguar se existem diferenças de exclusividade sexual e ajustamento conjugal em casais do mesmo sexo e casais de sexo diferente. É ainda pertinente explorar se problemas no relacionamento e o tempo de relacionamento influenciam as variáveis de Exclusividade Sexual (ES) e o Ajustamento Conjugal (AC).

Método [TOP]

Participantes [TOP]

A amostra foi constituída por 909 indivíduos de ambos os sexos (Tabela 1), com idade superior a 16 anos, tendo como critério de inclusão um relacionamento com o mínimo de 6 meses de duração, dado estudos longitudinais considerarem que a qualidade do relacionamento é relativamente mais elevada no início da relação, diminuindo ao longo do tempo (Kurdek, 2005).

Tabela 1

Caracterização dos Participantes (N = 909)

Caracterização Índice (%, anos)
Género
Mulher 61.7%
Homem 38.0%
Transgénero 0.3%
Média de Idades 28.8 anos
Orientação Sexual
Heterossexuais 60.0%
Bissexuais 10.2%
Homossexuais 29.7%
Habilitações Literárias
0 anos até 4 anos 0.1%
Até 6 anos 0.1%
Até 9 anos 2.5%
Até 12 anos 23.3%
Bacharelato 4.5%
Licenciatura 46.8%
Pós-Graduação 22.7%
Estatuto Socioeconómico
Alto 2.2%
Médio-Alto 18.2%
Médio 56.3%
Médio-Baixo 20.6%
Baixo 2.4%
Local de Residência
Grande Meio Urbano 43.5%
Pequeno Meio Urbano 42.8%
Grande Meio Rural 7.6%
Pequeno Meio Rural 5.6%
Tempo de Relacionamento 5.7 anos
Problemas no Relacionamento
Sim 44.0%
Não 55.7%
Vida Sexual Ativa
Sim 93.8%
Não 5.5%
Grau de Satisfação na Relação
Nada Satisfeito 0.6%
Moderadamente Satisfeito 5.3%
Satisfeito 14.0%
Muito Satisfeito 43.6%
Totalmente Satisfeito 32.3%

Material [TOP]

A recolha de dados concretizou-se com a utilização de quatro instrumentos:

  • Questionário Sociodemográfico – características pessoais e sociais dos indivíduos (idade, género, estatuto socioeconómico, escolaridade, profissão, local de residência, número de filhos).

  • Questionário de Orientação Sexual – recorrendo-se ao Modelo de Kinsey (1948, cit. por Cardoso, 2008, p. 75) que descreve sete pontos: “0 - heterossexual exclusivo; 1- predominantemente heterossexual, ocasionalmente homossexual; 2- predominantemente heterossexual, mais que ocasionalmente homossexual; 3- bissexual; 4- predominantemente homossexual, ocasionalmente heterossexual; 5- predominantemente homossexual, mais que ocasionalmente heterossexual e 6- homossexual exclusivo”, para identificar a orientação sexual dos inquiridos, sendo posteriormente agrupados nas classes Heterossexual, Bissexual e Homossexual.

  • A Dyadic Adjustment Scale – DAS (Spanier, 1976; versão portuguesa de Gomez & Leal, 2008), que permite uma avaliação do ajustamento diádico entre os casais, tendo sido este instrumento validado para a população portuguesa em 2008. As autoras referem que as 4 sub-dimensões do ajustamento conjugal apresentam uma boa consistência interna, avaliada com o coeficiente alfa de Cronbach (α). Os valores obtidos foram iguais a .849, .827, .720 e .655 para as subescalas de Consenso, Satisfação, Coesão e Expressão de Afeto, respetivamente, e de .897 para a escala global. A escala investiga a perceção que os cônjuges têm da qualidade do relacionamento através de 32 itens, 30 dos quais em escalas de seis pontos (sempre de acordo; quase sempre de acordo; ocasionalmente de acordo; frequentemente de acordo; quase sempre em desacordo; sempre em desacordo) e dois itens com respostas “sim” e “não” (Fredman & Sherman, 1987). Kurdek (1992) descreveu a DAS como uma escala de avaliação multidimensional, apresentando resultados notáveis quanto à estrutura fatorial, consistência interna, estabilidade (4 anos), validade convergente, validade de constructo e validade preditiva, tanto nos casais heterossexuais quanto nos casais homossexuais.

  • Questionário de Exclusividade Sexual – criado para este estudo através de uma breve revisão de literatura (Handbook of Sexuality-Related Measures (Davis, Yarber, Bauserman, Schreer, & Davis, 1998), Handbook of Measurements for Marriage & Family Therapy (Fredman & Sherman, 1987) e pesquisas de artigos científicos), que permitiu ter uma noção do tipo de perguntas a explorar para a elaboração do questionário de exclusividade sexual, permitindo avaliar as atitudes sexuais. Este questionário comporta 11 itens, sendo cotados numa escala tipo Likert: o primeiro item é cotado com 5 opções (Não houve envolvimento sexual físico; Beijos; Abraços e carícias; Contacto sexual íntimo sem penetração; Contacto sexual íntimo com penetração) de resposta e os outros 10 são cotados com 4 opções de resposta, desde “totalmente falso” (1) a “totalmente verdadeiro” (4), tendo em conta que poderá variar entre os valores 9 (maior exclusividade sexual) e 36 (menor exclusividade sexual).

Através da Análise Fatorial (AF) foi possível extrair dois fatores denominados pelo fator Sexualidade composto por itens como “Teria contacto sexual físico com outras pessoas por curiosidade” e “Tenho fantasias em praticar sexo com outros casais com o(a) companheiro(a)”, e o fator Autoestima, composto por itens como “Gostaria de ter relações sexuais com outras pessoas para me sentir jovem” e “Procuraria ter relações sexuais para compensar a falta de amor e afeto por parte do(a) companheiro(a)”. A escala apresenta um KMO = .878 e uma boa consistência interna com um coeficiente alfa de Cronbach (α) .826 (M = 12.32; SD = 4.285) para a variável Exclusividade Sexual, .788 (M = 6.14; SD = 2.769) para o fator Sexualidade, α = 0.737 (M = 6.14; SD = 2.769) para o fator Autoestima.

Procedimentos [TOP]

Foram contactadas associações LGBT (Rede Ex Aequo, Ilga Portugal, não te prives e Opus Gay). Por correio eletrónico, procedeu-se à divulgação do respetivo estudo, através do método ‘bola de neve’. Foram também contactadas as autarquias (câmaras municipais de Portugal); empresas de transporte; empresas de segurança privada; discotecas; empresas prestadoras de serviço; forças de segurança pública; ordem dos engenheiros, advogados, médicos, enfermeiros, farmacêuticos, entre muitos outros. Após verificação da existência de um número elevado de questionários respondidos por mulheres, procedeu-se à criação de uma lista de emails só de homens, através do produto cartesiano dos nomes próprios portugueses e os apelidos portugueses obtendo um total de 460.000 emails somente de servidores portugueses (sapo.pt, clix.pt, netcabo.pt, cabovisao.pt, iol.pt). Esta técnica permitiu a recolha de questionários respondidos somente por homens, apresentando a limitação de que o email criado poderia não estar ativo.

Os três questionários foram estruturados e disponibilizados no software de formulários ‘Google Docs’, acessível a responder publicamente na internet através de um link destinado à sua resposta, que seriam registadas em formato eletrónico agilizando o processo de tratamento de dados e salvaguardando a sua confidencialidade.

Procedeu-se a um pré-teste online com 10 indivíduos, que tiveram como a critério de inclusão ter um relacionamento com uma duração mínima de 6 meses e respostas de participantes homossexuais, bissexuais e heterossexuais.

Quanto à orientação sexual, os participantes foram agrupados como: Heterossexuais (0- Heterossexual exclusivo; 1- Predominantemente heterossexual, ocasionalmente homossexual), Bissexuais (2- Predominantemente heterossexual, mais que ocasionalmente homossexual; 3- Bissexual; 4- Predominantemente homossexual, ocasionalmente heterossexual) e Homossexuais (5- Predominantemente homossexual, mais que ocasionalmente heterossexual e 6- Homossexual exclusivo).

Os procedimentos éticos foram descritos pelo anonimato e confidencialidade dos questionários, assim como o respetivo tratamento seria somente para o estudo em causa. Referiu-se qual o objetivo do estudo, solicitando a participação para o preenchimento da informação pedida.

Para o tratamento e análise dos dados recorreu-se ao software SPSS versão 17, recorrendo à estatística descritiva, inferência estatística, análise fatorial e testes paramétricos para amostras independentes considerando um alfa (α) .05 (nível de significância). A análise da ANOVA foi reforçada pelo teste Games-Howel e o teste de Hochberg GT2 para a verificação das diferenças estatisticamente significativas. Estes testes permitem mostrar quais as variáveis que apresentam resultados significativamente diferentes entre si.

Resultados [TOP]

Participaram no presente estudo 909 indivíduos com um relacionamento médio de aproximadamente 5.7 anos.

A idade média dos participantes é de 28.76 anos (SD = 9.279); 78.2% dos participantes tinham entre os 16 e os 34 anos. Relativamente à identidade sexual, 545 dos participantes (60%) afirmaram ser heterossexuais, (0 - Heterossexual exclusivo; 1 - Predominantemente heterossexual, ocasionalmente homossexual), 94 dos participantes (10.2%) afirmaram ser bissexuais (2 - Predominantemente heterossexual, mais que ocasionalmente homossexual; 3 - Bissexual; 4 - Predominantemente homossexual, ocasionalmente heterossexual) e 270 participantes (29.7%) afirmaram ser homossexuais (5 - Predominantemente homossexual, mais que ocasionalmente heterossexual e 6 - Homossexual exclusivo).

Dos inquiridos, 44% referem ter como principais problemas de relacionamento, a comunicação, o ciúme, as finanças, a família, relações sexuais e novas amizades. Contudo, os participantes referem ter um grau de satisfação na relação considerado como “Muito Satisfeito” por 43.6% e “Totalmente Satisfeito” por 32.3%. Quase todos os participantes referem ter uma vida sexual ativa (93.8%).

Relativamente às variáveis em estudo verificou-se que 48% dos indivíduos apresentam valores de Exclusividade Sexual (M = 12.32; SD = 4.285) iguais ou inferiores a 10, tendo em conta uma escala que poderá variar entre os valores 9 (maior exclusividade sexual) e 36 (menor exclusividade sexual).

Constatou-se que 49% dos indivíduos apresentam um nível de Ajustamento Conjugal (M = 112.47; SD = 17.125) igual ou superior a 115, numa escala que se situa entre o valor 0 (menor ajustamento) e 151 (maior ajustamento). Gomez e Leal (2008), consideram a nota 100 como ponto de corte para classificar casais com dificuldades (superior a 100) e sem dificuldades (inferior a 99) de ajustamento. No presente estudo, obtiveram-se boas características psicométricas, traduzindo-se num alpha de Cronbach de .92 (M = 112.47; SD = 17.125) para a variável Ajustamento Conjugal, .85 (M = 49.27; SD = 7.646) para o fator Consenso, .85 (M = 38.51; SD = 6.631) para o fator Satisfação, .76 (M = 15.15; SD = 4.320) para o fator Coesão e .66 (M = 9.54; SD = 2.138) para o fator Expressão de Afeto.

A Tabela 2, revela que a Orientação Sexual apresenta diferenças significativas em termos de Exclusividade Sexual (incluindo os fatores que a constituem), destacando-se tais diferenças entre o grupo heterossexual e os grupos bissexual e homossexual (F (2,905) = 20.252, p < .05).

Tabela 2

Diferenças em Relação à Variável Exclusividade Sexual, Entre Participantes com Diferente Orientação Sexual

Exclusividade Sexual Orientação Sexual N M DP ANOVA
F p
Exclusividade Sexual Heterossexual 545 11.60 3.698 20.252 ***
Bissexual 93 13.41 4.837
Homossexual 270 13.41 4.864
Total 908 12.32 4.287
Sexualidade Heterossexual 545 5.62 2.265 25.921 ***
Bissexual 93 6.71 3.095
Homossexual 270 7.00 3.290
Total 908 6.14 2.770
Autoestima Heterossexual 545 5.98 1.878 7.374 **
Bissexual 93 6.70 2.426
Homossexual 270 6.41 2.199
Total 908 6.18 2.053

*p < .05. **p < .01. ***p < .001.

O teste Games-Howell (Tabela 3) permite avaliar a existência de diferenças significativas entre os heterossexuais em relação aos homossexuais e bissexuais. Não se observaram diferenças entre homossexuais e bissexuais

Tabela 3

Diferenças em Relação à Variável Tempo de Relacionamento, Entre Participantes com Diferente Orientação Sexual: Teste Games-Howell

Orientação Sexual (I) Orientação Sexual (J) Diferença Média (I-J)
Exclusividade Sexual Sexualidade Autoestima
Heterosexual Bissexual -1.809* -1.089* -.719*
Homossexual -1.811* -1.380* -.431*
Bissexual Heterossexual 1.809* 1.089* .719*
Homossexual -.003 -.290 .288
Homosexual Heterossexual 1.811* 1.380* .431*
Bissexual .003 .290 -.288

*p < .05. **p < .01. ***p < .001.

Recorreu-se ao coeficiente de correlação de Pearson (-1 ≤ p ≤ 1), de forma a medir a intensidade da associação entre as variáveis em estudo. Verificaram-se níveis de intensidade e direção fracos entre a Exclusividade Sexual e Ajustamento Conjugal, que apesar de significativos demonstram fracas relações entre os fatores, porém, o fator Satisfação Conjugal apresenta uma moderada associação com o fator autoestima, conforme podemos analisar na Figura 1.

Figura 1

Modelo Correlacional das Variáveis Ajustamento Conjugal e Exclusividade Sexual.

Quanto ao género, verificaram-se diferenças significativas entre a Exclusividade Sexual, em que o sexo feminino apresenta maiores níveis relativamente ao sexo masculino, conforme os dados apresentados na Tabela 4.

Tabela 4

Diferenças em Relação às Variáveis Exclusividade Sexual e Ajustamento Conjugal, Entre Participantes do Sexo Masculino e Feminino

Variáveis Psicológicas Género N M DP t p
Exclusividade Sexual Homem 345 13.98 4.923 9.540 ***
Mulher 561 11.31 3.481
Ajustamento Conjugal Homem 345 111.91 16.848 -.730 .762
Mulher 561 112.76 17.321

*p < .05. **p < .01. ***p < .001.

A variável Ajustamento Conjugal não apresentou diferenças estatisticamente significativas.

A maioria dos problemas de relacionamento, devem-se à falta de comunicação (20.46%) entre o casal, seguido dos sentimentos de ciúme (17.93%) e problemas financeiros (12.10%). Indivíduos que relatam ter problemas no relacionamento apresentam menor Exclusividade Sexual e menor Ajustamento Conjugal, conforme a Tabela 5.

Tabela 5

Diferenças Entre Participantes com e sem Problemas no Relacionamento, em Relação às Variáveis Exclusividade Sexual e Ajustamento Conjugal

Variáveis Psicológicas Problemas no Relacionamento N M DP t p
Exclusividade Sexual Sim 400 13.35 4.832 6.552 ***
Não 506 11.51 3.606
Ajustamento Conjugal Sim 400 102.55 18.460 -18.096 ***
Não 506 120.35 10.839

*p < .05. **p < .01. ***p < .001.

Relativamente ao grau de satisfação sexual perante os problemas no relacionamento, averiguaram-se diferenças estatisticamente significativas. Os inquiridos que indicaram a existência de problemas no relacionamento apresentam uma média inferior relativamente ao grau satisfação sexual (cuja escala varia entre 1 e 5), enquanto os inquiridos que não indicaram a existência de problemas no relacionamento, apresentam uma média superior, evidenciando um maior grau de satisfação sexual conforme a Tabela 6.

Tabela 6

Diferenças entre a Variável Satisfação Sexual e os Participantes com e sem Problemas de Relacionamento.

Satisfação Sexual Problemas no relacionamento N M DP t p
Grau de satisfação sexual Sim 380 3.72 .937 -10.930 ***
Não 487 4.33 .705

*p < .05. **p < .01. ***p < .001.

Quanto ao tempo de relacionamento, podemos deduzir que existem diferenças significativas no ajustamento conjugal entre os relacionamentos com mais de 8 anos e os relacionamentos até 5 anos (intervalos de 0 até 1.99 anos e de 2 até 4.99 anos) (F (3.905) = 5.287, p < .001), no entanto, não existem diferenças significativas entre o tempo de relacionamento e a Exclusividade Sexual.

Por último verificou-se que os participantes heterossexuais apresentam diferenças significativas no tempo de relacionamento, em comparação com o grupo bissexual e homosexual (Tabela 7).

Tabela 7

Diferenças em Relação à Variável Tempo de Relacionamento, Entre Participantes com Diferente Orientação Sexual

Orientação Sexual N M DP ANOVA
F p
Heterossexual 545 7.6121 7.94668 57.307 ***
Bissexual 93 2.4441 2.58455
Homossexual 270 2.9944 3.93031
Total 908 5.7097 6.97121

*p < .05. **p < .01. ***p < .001.

O teste Games-Howell (Tabela 8) permite-nos verificar as diferenças significativas entre os heterossexuais em relação aos homossexuais e bissexuais, não existindo essas diferenças entre os homossexuais e os bissexuais

Tabela 8

Diferenças em Relação à Variável Exclusividade Sexual, Entre Participantes com Diferente Orientação Sexual: Teste Games-Howell

Orientação Sexual (I) Orientação Sexual (J) Diferença Média (I-J)
Heterossexual Bissexual 5.16802*
Homossexual 4.61767*
Bissexual Heterossexual -5.16802*
Homossexual -.55036
Homossexual Heterossexual -4.61767*
Bissexual .55036

*p < .05. **p < .01. ***p < .001.

Discussão [TOP]

O presente estudo, permitiu verificar que aproximadamente 50% dos indivíduos apresentam elevados níveis de exclusividade sexual (média global de 12.32, tendo em conta uma escala que poderá variar entre os valores 9 - maior exclusividade sexual - e 36 - menor exclusividade sexual), e de ajustamento conjugal (média global de 112.47, numa escala que se situa entre o valor 0 - menor ajustamento conjugal - e 151 - maior ajustamento conjugal). Contudo, relativamente à variável exclusividade sexual, verifica-se que o grupo heterossexual apresenta diferenças significativas em relação aos restantes grupos.

Um dos estereótipos mais comuns com relação aos casais do mesmo sexo é o de pensarem de forma preponderante sobre o sexo, sendo incapazes de estabelecer relações duradouras (Grossi, Mello, & Uziel, 2007). Contudo, constata-se uma evolução das atitudes perante a homossexualidade, particularmente junto de indivíduos mais jovens e com um nível educacional mais alto (Ferreira, 2003). Kurdek (2008b) referiu que a qualidade do relacionamento para homens gays, mulheres lésbicas e homens/mulheres heterossexuais é descrita por um conjunto de atrações para o relacionamento e na concentração das barreiras para sair da relação. Casais de homens gays e mulheres lésbicas podem desfrutar de elevados níveis de relação devido a apresentarem características que propiciam a manutenção de altos níveis de atração para o relacionamento, existindo evidências de que os altos níveis de expressividade contribuem para uma relação positiva, usando-a na resolução de conflitos ligados ao relacionamento (Kurdek, 2008b).

Apesar da Exclusividade Sexual e do Ajustamento Conjugal apresentarem associações fracas, o fator Satisfação do Ajustamento Conjugal, apresenta uma maior correlação com o fator Autoestima da Exclusividade Sexual, podendo este fato estar ligado à capacidade dos parceiros compararem os aspetos satisfatórios com a segurança emocional e a formação de uma família (Mosmann et al., 2006).

Magalhães (2009) refere que é pouco provável que homens e mulheres vivam uma relação em que sintam a satisfação em todos os sentidos, descrevendo a atenção, a admiração, a aceitação, o sexo e o afeto como características básicas para manter um relacionamento saudável e satisfatório entre os cônjuges. Podemos considerar que satisfação é uma reação subjetivamente experienciada no relacionamento, uma atitude de respeito do próprio relacionamento conjugal, o resultado da diferença entre a perceção da realidade do relacionamento e as aspirações que os conjugues tem para a sua relação (Norgren, de Souza, Kaslow, Hammerschmidt, & Sharlin, 2004; Perlin & Diniz, 2005).

No presente estudo, não se verificaram diferenças estatisticamente significativas em relação à variável Ajustamento Conjugal, entre participantes com diferente orientação sexual. Um estudo realizado por Kurdek (2005) defende que em média os homens gays e mulheres lésbicas estão satisfeitos com o seu relacionamento e o nível de satisfação é pelo menos igual ao relatado por conjugues de casais do sexo oposto, o que difere dos resultados apresentados.

Apuraram-se diferenças significativas entre a Exclusividade Sexual e o Género, em que o sexo feminino apresenta maiores níveis relativamente ao sexo masculino. As diferenças entre género podem ser influenciadas pelos papéis atribuídos ao homem e à mulher. Heilborn (2004) defende que uma diferença apontada entre os casais do sexo oposto e casais do mesmo sexo masculinos é que as mulheres têm a responsabilidade pela intimidade emocional necessária para viabilizar a relação, enquanto os casais do mesmo sexo masculinos não são capazes de estabelecer parcerias por não saberem como fazê-lo. Outro estudo demonstra que os casais do mesmo sexo iniciam as discussões de forma mais positiva e estão mais propensos a manter um tom positivo durante toda a discussão, em relação a casais do sexo oposto, concluindo que os casais do mesmo sexo resolvem os conflitos de forma mais positiva e são mais propensos a sugerir possíveis soluções e compromissos (Kurdek, 2005).

A falta de comunicação entre o casal, o sentimento de ciúme e os problemas financeiros foram os problemas de relacionamento com maior destaque no presente estudo. Os indivíduos que relataram ter problemas de relacionamento apresentam menor Exclusividade Sexual, menor Ajustamento Conjugal e uma média inferior relativamente ao grau de satisfação sexual.

Os problemas de relacionamento são comuns em todos os casais, mas estes são a principal causa de uma menor exclusividade sexual, uma vez que a satisfação sexual é afetada. A insatisfação sexual também pode ser detonadora de ciúme, causando infelicidade conjugal, aumentando a probabilidade de rutura e ameaça de infidelidade sexual (Seo, 2005). Vários estudos apontam que a comunicação em qualquer tipo de relação é fundamental, evitando criar problemas uma vez que se discutem as necessidades, sendo apontada por vários autores como essencial à relação, podendo estabelecer padrões adequados (Lima, Soares, & Vieira, 2006; Norgren et al., 2004; Mosmann et al., 2006; Shernoff, 2006). Um estudo de Kurdek (2009) avaliou a monitorização da comunicação no relacionamento e se a comunicação estaria ligada às experiências emocionais dentro da relação. Kurdek (2006) verificou que durante o namoro não existiam diferenças na comunicação na relação, mas no casamento o sexo feminino apresentava uma maior necessidade de comunicar assim como maior preocupação sobre a dinâmica do relacionamento.

A falta de comunicação pode gerar problemas no relacionamento por não permitir avaliar características como confiança, respeito, compromisso, lealdade, flexibilidade, complementaridade, semelhança de valores e entendimento das necessidades do parceiro, como fundamentais para que o relacionamento possa ser duradoiro e satisfatório independentemente da orientação sexual (Grossi, Mello, & Uziel, 2007). Kurdek (2005), menciona que tanto os casais do mesmo sexo como os casais do sexo diferente identificam as mesmas fontes de conflito: finanças, carinho, sexo, ser excessivamente crítico, estilo de condução e tarefas domésticas, defende que as diferenças na resolução do conflito parecem ser devido à forma como o conflito é tratado e não pelo conflito em si.

Magalhães (2009) defende que o tempo e a qualidade do relacionamento seriam melhores se os casais abordarem entre si as necessidades fundamentais, independentemente da sua orientação sexual.

Este estudo averiguou a existência de diferenças significativas no ajustamento conjugal entre os relacionamentos com mais de 8 anos e os relacionamentos até 5 anos. Foi possível verificar também que os participantes casais de sexo oposto apresentam diferenças estatisticamente significativas em comparação ao grupo bissexual e casais do mesmo sexo.

O presente estudo permitiu identificar que dos 909 inquiridos, 43.6% dos indivíduos consideram o grau de satisfação com a relação como “muito satisfeito” e 32.3% como “totalmente satisfeito”, contudo 44% dos inquiridos (n = 909) apontam como os principais problemas de relacionamento a comunicação, o ciúme, as finanças, as relação sexuais e as novas amizades. Observa-se também que 48% dos indivíduos apresentam altos níveis de Exclusividade Sexual (ES), existindo diferenças estatisticamente significativas entre o grupo heterossexual e os restantes (bissexuais e homossexuais). Quanto ao Ajustamento Conjugal (AC), verificou-se que 49% apresentam altos níveis de Ajustamento Conjugal, no entanto não se verificaram diferenças estatisticamente significativas entre os grupos. Identificaram-se níveis de intensidade fracos entre a Exclusividade Sexual e Ajustamento Conjugal, porém o fator satisfação conjugal apresenta uma associação moderada com o fator autoestima. O tempo de relacionamento parece não influenciar a Exclusividade Sexual.

Trabalhos futuros devem focar características individuais e sociais de sujeitos homossexuais, de forma a desenvolver teorias que complementem estudos realizados, que comprovam que os casais do mesmo sexo têm características idênticas aos casais de sexo diferente. Considera-se também pertinente realizar o mesmo estudo em casais exclusivamente homossexuais com um relacionamento assumido perante a sociedade/casados.

As limitações do estudo incluem a não avaliação dos tipos de comportamento considerados como infidelidade (cibersexo, masturbação, pornografia), os motivos que levavam a manter a exclusividade sexual (perigo de contrair DST) e a identificação das crenças religiosas dos indivíduos.

Referências [TOP]

  • Barash, D. P., & Lipton, J. E. (2001). O mito da monogamia. Cascais: Sinais do Fogo.

  • Cabral, G. C. M. (2007). As famílias no período anterior à civilização. Revista dos Estudantes da Faculdade de Direito da UFC, 1(4), 45-16. Retrieved from http://pt.scribd.com/doc/17196324/1-Gustavo

  • Cardoso, F. L. (2008). O conceito de orientação sexual na encruzilhada entre sexo, género e motricidade. Revista Interamericana de Psicología, 42(1), 169-79. Retrieved from http://www.psicorip.org/Resumos/PerP/RIP/RIP041a5/RIP04208.pdf

  • Davis, C., Yarber, W., Bauserman, R., Schreer, G., & Davis, S. (1998). Handbook of sexuality-related measures. Thousand Oaks: Sage.

  • De la Rubia, J. M. (2008a). Predicción del ajuste diádico en una muestra nuevoleonesa. Revista Interamericana de Psicología, 42(2), 2247-256. Retrieved from http://redalyc.uaemex.mx/pdf/284/28442207.pdf

  • De la Rubia, J. M. (2008b). Modelos predictivos y de senderos de ajuste diádico por géneros en parejas casadas. Ciência UANL, 11(2), 2185-192. Retrieved from http://eprints.uanl.mx/431/1/MODELOSPREDICTIVOS.pdf

  • Dreher, M. (2001). Hermann Gottlid Dohms: Textos escolhidos. Porto Alegre: Edipucrs.

  • Féres-Carneiro, T. (1997). A escolha amorosa e interação conjugal na heterossexualidade e na homossexualidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 10(2), 2351-368. doi:10.1590/S0102-79721997000200012

  • Ferreira, P. (2003). Valores morais: As noções de “certo” e de “errado” na transição pós-moderna. In J. Vala, M. V. Cabral, & A. Ramos (Eds.), Valores sociais: Mudanças e contrastes em Portugal e na Europa (pp. 95-122). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

  • Fonseca, L., Soares, C., & Vaz, J. (2003). A sexologia, perspetiva multidisciplinar. Coimbra: Quarteto.

  • Fredman, N., & Sherman, R. (1987). Handbook of measurements for marriage & family therapy. New York: Brunner/Mazel.

  • Gomez, R., & Leal, I. (2008). Ajustamento conjugal: Características psicométricas da versão portuguesa da Dyadic Adjustment Scale. Análise Psicológica, 26(4), 4625-638. Retrieved from http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v26n4/v26n4a08.pdf

  • Grossi, M., Mello, L., & Uziel, A. (2007). Conjugalidades, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis. Rio de Janeiro: Garamond.

  • Heilborn, M. (2004). Família e sexualidade. Rio de Janeiro: Editora FGV.

  • Hyde, J. S. (2001). The next decade of sexual science: Synergy from advances in related sciences. Journal of Sex Research, 38(2), 297-101. doi:10.1080/00224490109552076

  • Kurdek, L. A. (1992). Dimensionality of the dyadic adjustment scale: Evidence from heterosexual and homosexual couples. Journal of Family Psychology, 6, 22-35. doi:10.1037/0893-3200.6.1.22

  • Kurdek, L. A. (2005). What do we know about gay and lesbian couples? Current Directions in Psychological Science, 14(5), 5251-254. doi:10.1111/j.0963-7214.2005.00375.x

  • Kurdek, L. A. (2006). The nature and correlates of deterrents to leaving a relationship. Personal Relationships, 13(4), 4521-535. doi:10.1111/j.1475-6811.2006.00133.x

  • Kurdek, L. A. (2007). Avoidance motivation and relationship commitment in heterosexual, gay male, and lesbian partners. Personal Relationships, 14(2), 2291-306. doi:10.1111/j.1475-6811.2007.00155.x

  • Kurdek, L. A. (2008a). A general model of relationship commitment: Evidence from same-sex partners. Personal Relationships, 15(3), 3391-405. doi:10.1111/j.1475-6811.2008.00205.x

  • Kurdek, L. A. (2008b). Change in relationship quality for partners from lesbian, gay male, and heterosexual couples. Journal of Family Psychology, 22(5), 5701-711. doi:10.1037/0893-3200.22.5.701

  • Kurdek, L. A. (2009). Assessing the health of a dyadic relationship in heterosexual and same-sex partners. Personal Relationships, 16(1), 1117-127. doi:10.1111/j.1475-6811.2009.01213.x

  • Lima, V., Vieira, F., & Soares, I. (2006). Vinculação em casais: Avaliação da representação da intimidade e da interacção conjungal. Psicologia, 20(1), 151-63. Retrieved from http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/pdf/psi/v20n1/v20n1a04.pdf

  • Magalhães, M. M. (2009). A infidelidade conjugal e seus mitos: Uma leitura gestáltica. IGT na Rede, 6(10), 1058-90. Retrieved from http://www.igt.psc.br/revistas/seer/ojs/viewarticle.php?id=230

  • Mosmann, C., Wagner, A., & Féres-Carneiro, T. (2006). Qualidade conjugal: Mapeando conceitos. Paidéia (Ribeirão Preto), 16(35), 35315-325. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/paideia/v16n35/v16n35a03.pdf

  • Norgren, M. B. P., de Souza, R. M., Kaslow, F., Hammerschmidt, H., & Sharlin, S. A. (2004). Satisfação conjugal em casamentos de longa duração: Uma construção possível. Estudos de Psicologia, 9(3), 3575-584. doi:10.1590/S1413-294X2004000300020

  • Nunes, C. (2005). Desvendando a sexualidade (5th Ed.). São Paulo: Papirus Editora.

  • Pais, J. (1996, Fevereiro). Vivências sexuais: Modos e diversidades. Artigo apresentado à Associação Portuguesa de Sociologia no III Congresso Português de Sociologia, Lisboa, Fundação Gulbenkian. Retrieved from http://www.aps.pt/cms/docs_prv/docs/DPR492ede2664249_1.pdf

  • Perlin, G., & Diniz, G. (2005). Casais que trabalham e são felizes: Mito ou realidade? Psicologia Clínica, 17(2), 215-29. doi:10.1590/S0103-56652005000200002

  • Reich, W. (1975). A revolução sexual. Rio de Janeiro: Centro do Livro Brasileiro.

  • Ribeiro, M. T., & Costa, M. E. (2002). Estilos de vinculação, papéis sexuais, género e satisfação conjugal: Um estudo com casais portugueses. Cadernos de Consulta Psicológica, 17-18197-214. Retrieved from http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/15588/2/32261.pdf

  • Santos-Iglesias, P., Vallejo-Medina, P., & Sierra, J. C. (2009). Propiedades psicométricas de una versión breve de la Escala de Ajuste Diádico en muestras españolas. International Journal of Clinical and Health Psychology, 9(3), 3501-517. Retrieved from http://redalyc.uaemex.mx/pdf/337/33712038009.pdf

  • Seo, K. T. (2005). Principais fatores desencadeantes de ciúme patológico na dinâmica de relacionamento conjugal. Revista Científica Eletrónica de Psicologia, 3(5), 5). Retrieved from http://www.revista.inf.br/psicologia05/pages/artigos/artigo04.pdf.

  • Shernoff, M. (2006). Negotiated nonmonogamy and male couples. Family Process, 45(4), 4407-418. Retrieved from http://www.familyprocess.org/Data/featured_articles/65_shernoff.pdfdoi:10.1111/j.1545-5300.2006.00179.x

  • Spanier, G. B. (1976). Measuring dyadic adjustment: New scales for assessing the quality of marriage and similar dyads. Journal of Marriage and the Family, 38, 15-28. doi:10.2307/350547

  • Teixeira, C. (2011). Repensando a religião: Debates sobre teologia, estado e cultura. São Paulo: Unaspress.